Site de Poesias


SERTANEJO

 

 

 
Sou um pobre peregrino
Que veio lá do sertão
De onde deixei Maria,
José e meu irmão...

 
Terra de gente sofrida
Que anda de pés no chão
Tentando tirar da terra
A sua alimentação...

 
O senhor não sabe, seu moço,
Como sofre o meu sertão
Que dói aqui no meu peito
Ver essa gente na mão...

 
Moço trabalhei duro
por esse sertão sofrido
Mas a seca foi demais
Não vi meu feijão florido.

 
Saia na madrugada
E corria pelo estradão
O sol queimando o meu rosto
Meus pés ardendo no chão...

 
Abri cavas, plantei milho,
Plantei soja e algodão
Na esperança que a chuva
Molhasse minha plantação...

 
A chuva lá não caiu
Perdi minha plantação
Perdi meu boi, meu jumento,
Toda a minha criação...

 
O milho já não dá mais
Não dá o trigo, nem feijão
Por isso morreu de fome
Maria, José e meu irmão...

 
E coitado do meu jegue
Não se aguentava mais de pé
De tanto que passou fome
Ficou jogado a migue...

 
O senhor devia ver, seu moço,
Como estava a minha vaquinha,
Coitadinha, tava no coro e no osso
Não se aguentava mais de é a coitadinha.

 
O governo nada faz
Pra melhorar a situação
só olha pra´quelas bandas
Em época de eleição...

 
Não quer saber como sofre
O coitado do meu irmão
Não quer saber do nordeste
Não olha pro meu sertão...

 
Resolvi ser andarilho
E abandonei meu sertão
Por isso corro essas terras
Mostrando as chagas da mão.

Compartilhar
Graciano Araújo
27/04/2009