Site de Poesias


Anjo de luz

Anjo de luz

Quando na minha visão

não enxergo a luz,

é por que as trevas

se incidiram e tripudiam,

sem perdão ou caridade.

Quando na minha revelação

não vejo a claridade,

é por que as trevas

lideram nossa guerra,

vituperam meu sangue,

manipulam sem ressalva.

Vozes, calem-se!

Desobstruam minha mente!

Eu não quero buscar

a aparente e fingida paz,

dos maus que se dizem crentes.

Eu chorei sim!

Mas, agora: parem!

De me censurar, me reprovar

ou me chamarem de torta...

E de mostrar como estão fechadas

a mim, as janelas e as portas.

Eu só quero pensar nas belezas

da vida e nos sonhos de sucesso.

Não nas fraquezas...

Vozes não me venham imputar

culpas enfadonhas.

Eu sei que erro e peco.

Deixem-me enxergar um anjo de luz,

onde não me  habite a vergonha.

Compartilhar

Obrigada por ler os sentimentos da minh'alma! Boa Páscoa! Beijos! São Paulo, capital.

Elisa Gasparini
10/04/2009