Site de Poesias


* Boca a boca *

* Boca a boca *

Ah, esse amor que acendeu em meu peito

uma chama desmedida

que entrou sem avisar, de forma atrevida

está agora a pulsar em ardente pleito

agarrado ás minhas artérias, sem encontrar a saída

 

Para onde fugirei da sua boca abrasiva ?

Meu paladar se apegou ao seu

na viscosidade da saliva

O seu corpo se aninhou ao meu

destilando amor em carne viva

 

Das catapultas do seu olhar

são lançadas pedras cortantes como lâmina

aço afiado a me perfurar

penetra o seio da ânima

 

Quero ser por ti contemplada

com flores rutilantes no olhar

ter a alma alvejada

pela fresca da chuva de pétalas

que goteja do seu mirar

 

 

                                                      *Úrsula A. Vairo Maia*

 

* OBRIGADA POR RESPEITAR OS DIREITOS AUTORAIS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar

Caros (as) colegas do site e visitantes, muito obrigada por sua gentil visita e comentário.

OBS: Infelizmente, devido aos problemas técnicos do site, não estou conseguindo enviar comentários das poesias dos(as) colegas, que eu tenho lido nos últimos dias. Quando clico em "enviar" surge uma mensagem de que a página não pode ser encontrada, por isso não estou comentando tantas posias lindas que tenho lido. Estou aguardando a resposta do administrador do site quanto ao problema. Um abraço a todos. em meu cantinho

Úrsula Avner
17/01/2009