Site de Poesias


Tempos

O que é tempo?
O que é ser singular?

A nuvem consumida
em meus dedos,
o pranto que compõe o sol,
o amarelo da noite, das sombras.

As mulheres dançam sobre as telhas,
compõem as cores do universo,
repõem o significado das flores
em meus sonhos.

As perguntas não são respondidas,
são simuladas pelo espaço.

As crianças dormem sem medo,
dormem sem vê o mundo,
mas sabem da evidência temporal.
Elas são frágeis.

Os tempos morrem a cada segundo,
a cada instante que renasce a mentira.
O momento, os atos móveis da incoerência.

A janela é o palco,
é o refletir de todos os erros humanos;
a necessidade de cada pessoa se reconhecer
e se permitir.

Tempos são tempos,
velocidade interminável.


João Ulysses

Compartilhar

Salvador

João Ulysses Ferreira Neto
02/02/2005

  • 2 comentários
  • 46 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados