Site de Poesias

Menu

Na penumbra fria de Paraisópolis


Na penumbra fria de Paraisópolis
 
 
Na escuridão duma noite de invernia
Na penumbra fria de Paraisópolis
Uma policial que ali passara o dia
Não foi recebida com miosótis
 
Foi presa fácil dum bando nefário
Palco da ambição e desesperança
De quem vive num mundo imaginário
Onde impera sua lei, que é, matança
 
E a pobre da infeliz policial
Foi ali, infamemente executada
Aos desejos do crime sequencial
 
Teve assim suas ambições retorcidas
Pelo comando do crime na Capital
Esmagando as benesses concedidas
 
São Paulo, 08/08/ 2018 (data da criação) 
Armando A. C. Garcia
 
Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com
 
Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema

Compartilhar
ARMANDO A. C. GARCIA
08/08/2018