Site de Poesias

Menu

PERPÉTUO

 

 
Sou para a vida ou a vida é para mim?
Questionamento que fico sem repouso,
Porquanto o tempo para mim é pomposo
E eu para o tempo não sou eterno, sou fim.
 
Quem me dera ser os minutos do relógio!
Os ponteiros trabalhariam de modo inverso,
Só assim, com compostura, escreveria versos
Que teriam, um dia, a satisfação do necrológio.
 
Infelizmente o tempo avança... Tudo fica atrás
E, dentro da cronologia, de criança fui o rapaz
Que viveu e viveu até consumar-me um idoso...
 
As horas não enganam, o tempo é que é linear
E, como sou fim na vida, hei de me perpetuar
Através dos poemas, pois, estarei sempre novo!
 
 
DE  Ivan de Oliveira Melo

 
 

Compartilhar
Ivan de Oliveira Melo
02/06/2018

  • 0 comentários
  • 11 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados