Site de Poesias

Menu

SENILIDADE

 
 
Na esplêndida etiqueta da velhice,
Nesse tempero divino que é a vida,
Num fulgor enigmático de saudade,
Oferto a quem interessar a caduquice.
 
O vulto dentre a hipocrisia e a realidade...
No espaço se manifesta uma brisa tonta...
É o cabelo que se esvoaça com o vento,
Azougado num ímpeto surto de sensibilidade.
 
Rosas vermelhas eu sirvo diante da solidão...
É a claridade da lua que habita nas estrelas
Incendiando o peito já carcomido no coração!
 
E de mim mesmo só leves nuances do bailado
Que a Inteligência depõe perante a essência
Do presente indecoroso e do pretérito inacabado!
 
 

 
DE  Ivan de Oliveira Melo 

Compartilhar
Ivan de Oliveira Melo
03/05/2018

  • 0 comentários
  • 14 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados