Site de Poesias

Menu

Paradoxo da Onipotência

A Epicuro e aos Ateus.

 

Se Deus existe? E se existir sem forma?

E se, afinal de contas, não existir?

Como saber? O que dizer? O mundo se transforma

Com passos lentos, com um rápido derruir.

 

Concedamos que existe um infinito poder superior.

Tudo pode, com um esmagador poder.

Se tanto pode, por que há o mal e o terror?

Se é imenso, por que temos de sofrer?

 

Existência sem face a qual tudo pode criar,

Entretanto, quem ou o quê, em suma, o criou?

A aleatoriedade dos astros no universal mar?

Ou a mente coletiva de uma raça que afundou?

 

Pode, este ser onipotente criar uma rocha tão pesada,

A ponto de nem mesmo ele ser capaz de erguer?

Se não pode, não é onipotente e mais nada.

Se não a pode criar, também não o é e também não hemos de ser.

 

Questiono: Se existe tanto poder, onde está a vontade?

Onde está a sabedoria para utilizá-lo?

Tudo jogado à humanidade frágil? Para que tal responsabilidade?

Somos onipotentes nós, então? Este pensamento não calo...

 

Se a verdade é um paradoxo sem resolução,

Então, não existe onipotência, ou, em suma, a divindade.

Se há, não é um ser perfeito, ainda que haja a adoração.

Se não há, fiquemos à mercê da realidade...

Compartilhar
Thiago da Silva Carbone
07/03/2018