Site de Poesias

Menu

AMARGURA

 
 
 
Venho, venho sim, ganhar nesta noite o beijo
Que todo pecador oferta em sinal de traição,
As impurezas da madrugada são tranças e fitas
Qual letal amargura que derrama sobre o ventre!
 
Sobre o leito dos devaneios devassos há remorsos
Esculpidos diante das máculas tingidas de sangue...
Sobre o gozo das hipocrisias dorme o verme caótico
Que tudo sabe a respeito das indecências do mentir...
 
Marca-se de esterilidade o sonho capenga que é vício
Da pobreza inata do espírito que se talha sobre o peito
Enquanto se rói das flores da primavera apenas incenso.
 
Foge-se o tempo mediante a caduquice das hortas tontas
E na mortalha da vida pinta-se de azedume velho coração
Já cansado de salpicar sobre o corpo suas batidas de medo!
 
 
DE  Ivan de Oliveira Melo
 

 
 

Compartilhar
Ivan de Oliveira Melo
11/01/2018

  • 0 comentários
  • 27 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados