Site de Poesias

Menu

Gaivota

 

Permitireis meu sonho

                                               De ser uma gaivota

Voarei acima dos vossos olhos

                                               E lá de cima ver de longe...

O majestoso nascer do sol

                                               Aclamando novo dia

Na cor alaranjado.

                                               Nuvens brancas no céu azul

Carros em movimento no asfalto, fumaça dos escapamentos

                                               No caminho, casas, prédios

Nas calçadas, pessoas apressadas

                                                Esquecendo de sorrir, disputando espaços

Com o imperador da vida... O coração.

                                               Olhando as horas na frieza do relógio

Não observam as cores nas arvores, nas flores

                                               Ficando na cidade mais um dia cinza.

Continuo voando... Voando...

Avisto na praia, pescadores corajosos, empurrando mar adentro

                                               Suas embarcações, com suas redes

Iniciando mais um dia árduo

                                               Com orações, preces, beijos na amada

Essa amada... Com os pés na areia branca, acenando

Vêem o ruído das ondas, vão os pescadores.

Chega a escura noite

Pescadores retornando para casa

Embarcações repletas com a boa pescaria

Olhando para o firmamento

A lua prateada e as estrelas mostrando o caminho

E o farol da barra, iluminando a chegada.

E sobre as asas da gaivota, as mãos de DEUS

                                               Porque somos simples mortais.

 

 

Compartilhar
Gilmar Silva Luiz
15/07/2017