Site de Poesias

Menu

Vulto

Foi tão fácil se apaixonar,

que não sei se será possível esquecer

Um vislumbre da felicidade percorreu meus sonhos

Delírios de um amor infinito que não viverei

Sabe aquelas muralhas em volta do meu coração?

Foram todas derrubadas

Não há o menor vestígio de que houve uma resistência

Não há sequer indícios de que houve uma luta

Não titubiei, não hesitei, não me esforcei

Apenas senti-me sugada por todo esse mel

Palavras que me elevaram ao céu

Como é possível se apaixonar por palavras?

É como se apaixonar por um vulto, que você nem sabe se existe

Mas que insisti em ser onipresente

Como esquecer, se você fincou morada nos meus pensamentos?

Derreti-me como uma adolescente desavisada, que não conhece o amor

Mas eu o conheço, e conheço também a dor que ele traz consigo

Agora, uma luta se inicia

A luta mais difícil que podemos travar é contra um inimigo que é invisível

Um inimigo, que sequer é inimigo

Um inimigo que vc ama amar e odiar

Um inimigo que é apenas um vulto do seu mais profundo desejo

Um inimigo que é um vulto de si próprio

Compartilhar
Bruna Oliveira
10/07/2017