Site de Poesias

Menu

as minhas suplicas de amor

 

 
 
 
Quando chego em casa, sinto a mesma sem fantasia, sem brilho, sem energia,
A poeira flutua sobre os móveis, criando uma película.
Sobre a superfície da penteadeira, com o dedo anelar vou desenho o seu nome,
 Enquanto a saudade de você me machuca é uma dor maluca.
 
Lagrimas dos meus olhos rola sobre a face, por estar sozinho preso no passado,
Dou vazão à dor do amor que me consome, deixo o meu rosto ser banhado,
Neste instante me transformo fico de corpo e alma lavada, por Deus eu sou curado,
Deste amor que só me machucou nunca deu valor, as minhas suplicas de amor.

 
 
 
 
 
 

Compartilhar
João Marques JM
21/05/2017

  • 0 comentários
  • 27 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados