Site de Poesias

Menu

Óculos embaçados

Queria te ver aparecer

Durante uma noite vazia ou amanhecer

Ouvir tua voz na rádio ou Tv

Programas reprisados

Retratando nosso futuro sem passado

Mas meus óculos estão embaçados

 

Queria te ver de qualquer maneira

Fazer história de qualquer besteira

Deitar no teu chão

Fazer meu corpo tua esteira

Um no outro deitarmos

Sermos um só em meio a tantos braços

Mas meus óculos estão embaçados

 

Queria te ver despida

Sem despedida, partida

Teu corpo e tua alma nua

Tua pele branca banhada a luz da lua

Molhada de suor ou água de chuva

Nossos desejos forjados em aço

Emitindo gritos e gemidos abafados

Mas meus óculos estão embaçados

 

Queria te ver estasiada

Delirando saciada

Tua face sorrindo acariciada

Deslizando meus dedos em teu corpo

Encontrar tuas mãos e deixá-las entrelaçadas

Sentir o gosto de inocência,

Jeito de menina mulher que te faço 

Ser teu medo e embaraço

Mas o longe me cega, me faz perdido

Sonhador ou palhaço

E meus óculos? ...

Meus óculos estão embaçados.

 

Autor: André Xavier

Compartilhar
André Xavier
30/09/2016

  • 0 comentários
  • 21 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados