Site de Poesias

Menu

UM CONTO DE TERROR-(Conto)-

[Ilustração não carregada]

Um conto de terror
 
                                           O dia amanheceu nublado, meu joelho doía, não menos que a coluna cervical que impossibilitava movimentos mais bruscos. Já me acostumara aos passos de caracol e a tortura para caminhar alguns centímetros, mas nunca desistia de minhas intenções. A odisseia para chegar à sala e ligar a TV foi digna de um Oscar por efeitos especiais tantas as caretas de dor que fiz até atingir o objetivo. Após gemer por uns cinco minutos consegui me acomodar no pequenino sofá e percebi que alguém havia tirado o controle remoto do lugar de costume e aí foi mais uma maratona para localizar o “infeliz”, quase gritei dessa vez, mas como iria doer mais, resolvi me conter, xinguei apenas em pensamento. Depois de uns dez minutos de procura sem êxito resolvi ligar o aparelho manualmente, mas o botão de liga-desliga estava quebrado e era preciso enfiar um objeto com ponta para efetuar a função. De posse de um pequeno grampo de cabelos que estava na estante introduzi o mesmo no orifício desejado e poft, ligou.
                                          Agora era só esperar dez minutos para ela (a TV) aquecer e começar a funcionar, aliás, devo dizer que essa TV é uma verdadeira relíquia e está em minha família há duas gerações. Acomodei-me novamente e esperei, cheguei a cochilar na espera e quando acordei bruscamente vislumbrei o controle remoto sob a estante. Droga, lá vou eu de novo,mas o pior é que se me agachasse não levantaria sem ajuda e não havia ninguém em casa além de mim, mesmo assim resolvi arriscar. Ajoelhei-me primeiro com muito cuidado, depois me deitei de bruços (imaginem a cena, ceis tão rindo, né?) e fui me arrastando até o pequeno artefato que facilitaria meu acesso ao fantástico mundo virtual.
                                         Ai, ai, ui, ai, e muitos ais e uis depois consegui me apoderar do precioso objeto, mas e agora como levantar e voltar para o sofá? (burro, era só me arrastar de volta e pronto, só pensei nisso mais tarde, quando já era tarde, heheh(rindo pra não chorar)). Apoiei-me na estante e quando forcei veio tudo abaixo, inclusive a TV, que não quebrou e ainda começou a funcionar e enquanto gemia de dor, pensando que não poderia piorar a situação, as imagens do jornal matutino anunciavam que a Dilma havia sido reeleita... desmaiei...
 
 
Pedro Martins

 
05/08/2014

Compartilhar

Esta é uma história de ficção, mas poderá ser verdadeira, heheh... Pitangueiras, pensando no que virá a seguir...

Pedrinho Poeta - Pitangueiras-SP-
05/08/2014